É claro que o movimento de 1964 não foi revolução, foi contra-revolução.

A Lei da Peteca

Antonio Portinari Greggio | 12 Agosto 2010
Artigos – Cultura

É claro que o movimento de 1964 não foi revolução, foi contra-revolução.

Quando falam do movimento de 1964, os a favor dizem Revolução, e os contra falam golpe de Estado. Há tempos, li um artigo em que Jarbas Passarinho – quoque tu, dux mi? – demonstrava, por analogia histórica, que 1964 merece o título de Revolução, como se revolução fosse coisa virtuosa. Posteriormente o ilustre brasileiro passou a usar contra-revolução.

Essa indefinição é mais importante do que parece, pois indica que os militares, fixados na disciplina e no respeito à ordem, de certa forma se sentiam embaraçados de ter virado a mesa para salvar o Brasil do caos. Sempre consideraram sua intervenção como coisa precária, anômala, contrária a uma pretensa "normalidade democrática" que, de acordo com a teoria, seria o "certo", enquanto a ditadura militar, por mais bem intencionada ou necessária que fosse, era "errada".

Num país de currupacos, onde a repetição de refrões substituiu as idéias, poucos perdem seu tempo em verificar se de fato existe ou existia alguma "normalidade democrática" no Brasil. Ou seja, se a democracia no Brasil é algo realmente natural.

O que é natural? Para entender a "natureza", basta observar uma peteca. De qualquer jeito que a joguemos, sempre cai com as penas para cima logo, essa é a condição "natural" da peteca. E o Brasil? Se a política correr solta, levada pelo voto do eleitorado de acordo com as promessas dos políticos – cairá sempre na mesma posição, a democrática? Se for assim, não há dúvida: a democracia brasileira é "natural" e tudo o que for diferente dela, inclusive as intervenções militares, é contrário à "natureza".

Mas o Brasil não é uma peteca. Sua história mostra que a democracia, devido à índole do eleitorado e ao caráter dos políticos, rapidamente resvala para a ditadura totalitária. Em mais de uma ocasião as Forças Armadas foram obrigadas a intervir antes do desastre. Mas, devido à própria intervenção preventiva, o desastre não chegava a ocorrer, e sobrava a impressão de que os militares haviam violado uma pretensa "normalidade institucional". Assim, as mentiras dos comunistas nunca eram desmentidas na prática. Não adiantava apontar os exemplos de Cuba e de outros países que, não tendo se defendido a tempo, haviam sido destruídos pelo comunismo: a intelectualha e parte da opinião pública permaneciam convictas de que os militares haviam usado a força para suprimir a "democracia".

É essa a origem dos mitos de Allende no Chile, ou dos montoneros na Argentina. Não adianta explicar que não passavam de traidores, e a democracia só lhes interessava como cobertura para os seus projetos criminosos. Até hoje os militares são perseguidos por terem cumprido tempestivamente a missão de proteger seus países da agressão apátrida, dirigida e financiada do exterior.

O povo é como certas mulheres que, levadas pelo instinto, apaixonam-se por vagabundos. Se a família proibir o casamento, passam o resto da vida a lastimar o amor frustrado. Se permitir, só aprendem sua lição depois de perder a juventude, passar fome, encher-se de filhos, levar surras e finalmente ser abandonadas por outra idiota mais jovem.

É claro que o movimento de 1964 não foi revolução, foi contra-revolução. Mas autodenominou-se Revolução porque só um governo revolucionário podia editar Atos Institucionais. Mas o governo militar só foi revolucionário no nome. Cheio de escrúpulos, cordial, ensaiando o dia em que teria de devolver o poder aos civiscomo se o poder civil fosse lei da natureza – nunca assumiu inteiramente a sua missão histórica. Isso, porque todos, tanto os militares como seus adversários, tinham de adorar a vaca sagrada da democracia.

É evidente que os traidores só fingiam defender a "democracia" como etapa provisória no trajeto para a ditadura "do proletariado". Logo, não acreditavam na vaca, apenas a usavam como cobertura. Ingênuos eram os militares que sinceramente a respeitavam, e impunham a ditadura para salvá-la e aperfeiçoá-la, livrando-a dos seus maiores "defeitos", os corruptos e os subversivos. Não queriam admitir que era a democracia, e não os corruptos e subversivos por ela gerados, a causa da crônica ingovernabilidade do Brasil.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s