ENC: FIQUE GIGANTE EM 28 DIAS

FIQUE GIGANTE EM 28 DIAS!

Plano e dieta (na página seguinte) para seus músculos crescerem rápido e você não cair na monotomia

por DAN JOHN

COMO OS MÚSCULOS AUMENTAM

Ao contrário do que muita gente imagina, a maior parte do processo de fortalecimento e crescimento dos músculos não ocorre no momento em que você levanta peso, e sim quando o treinamento acaba. Quer entender como isso acontece no seu corpo? Então chegou a hora de desvendar alguns segredos do ganho muscular.

D

Em primeiro lugar, é importante compreender como éa estrutura dos músculos. As fibras musculares são formadas por inúmeros componentes celulares, chamados de miofibrilas. Por sua vez, essas estruturas são compostas por milhares de pequenos filamentos, conhecidos como actina e miosina. Eles são os responsáveis pela movimentação das células e a contração muscular, (confira o infográfico acima).

H

Quando você faz um exercício de musculação intenso, a força mecânica aplicada gera microtraumas (pequenas rupturas) nas fibras.

B

Esses danos causam um processo inflamatório e ativam o sistema de defesa do corpo. Para combater o problema, o organismo envia células brancas do sangue (leucócitos) e agentes anti-inflamatórios aos locais atingidos.

H

Algumas substâncias, como os aminoácidos, iniciam a reestruturação das fibras danificadas, construindo um novo tecido muscular.

H

Em resposta a todo esse processo, o organismo amplia a produção de actina e miosina, o que resulta no aumento da fibra muscular. Quando vvocê levanta peso regularmente, o corpo repete todos os passos anteriores. Isso faz com que o músculo cresça.

Anúncios
por adrianobombeirodf Postado em Saúde

Novos equipamentos monitoram sua vida e saúde 24h

Data eu

Carlos Rydlewski

Se você é do tempo em que se fazia checkup uma vez por ano, ainda não entendeu direito o alcance da expressão “vida digital”. Os aparelhinhos desta página transformam o seu dia a dia em dados. Medem da quantidade de suor à atividade cerebral e transformam as informações em gráficos. Partem do pressuposto de que, se é possível medir, dá para melhorar. Eles formam a base de uma academia 24/7.

O veneno nas vacinas do governo federal

Escrito por Chuck Norris | 14 Novembro 2011

Internacional – Estados Unidos

José Dorea, professor de ciências nutricionais da Universidade de Brasília, acertou bem no alvo de saúde quando recentemente disse: “As evidências continuam a se avolumar de que o mercúrio nas vacinas não é seguro, de que os efeitos negativos ocorrem até mesmo com níveis de exposição nas vacinas.

Embora os grandes meios de comunicação dos EUA estejam dando cobertura para as campanhas presidenciais ou para as condições econômicas, o governo está debaixo dos panos e debaixo da pele dos outros — literalmente — fazendo algo que pode ser prejudicial para a saúde de seus filhos e para a nossa saúde. A notícia sobre o acobertamento que o governo federal vem fazendo no caso das vacinas acabou de vazar, mas poucas, se é que existe alguma, agências noticiosas transmitiram a informação.

De acordo com os Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CCPDs, mais conhecido pela siga em inglês CDC), uma em cada 110 crianças tem desordens de espectro de autismo (DEAs). O que é impressionante é que essas desordens começaram a explodir pouco mais que duas décadas atrás. (As DEAs são um conjunto de deficiências no desenvolvimento que podem provocar desafios de comunicação e comportamento e também desafios sociais) A Associação Nacional de Autismo chama o aumento de 644 por cento de DEAs entre crianças dos EUA desde o começo da década de 1990 “uma trágica epidemia de autismo”.

Muitos atribuem o aumento no índice de DEAs ao fato de que as crianças estão sendo expostas a quantidades significativas de timerosal, uma mistura baseada em mercúrio que tem sido usada desde a década de 1930 como um conservante em certas vacinas e produtos farmacêuticos para impedir contaminação de bactérias e fungos.

Entretanto, de acordo com o site dos CCPDs, “até este momento, os estudos continuam a mostrar que as vacinas não estão associadas às DEAs” (ênfase nas conclusões dos “CCPDs”). Os CCPDs acrescentaram: “A mais recente e rigorosa pesquisa científica não apoia o argumento de que as vacinas que contêm timerosal são prejudiciais… Será que o timerosal nas vacinas é seguro? Sim”.

Mas numa reportagem da semana passada, numa nota distribuída à imprensa a PRNewswire disse que a Coalizão em prol de Drogas Livres de Mercúrio, [conhecida pela sigla em inglês] CoMeD, desmascarou que o governo federal vem ocultando a ligação entre os CCPDs e os pesquisadores de vacinas. Apesar do fato de que os CCPDs possuíam uma comunicação de 2002 que revelava uma relação causal entre a remoção do timerosal das vacinas e o declínio no índice de autismo, os CCPDs publicaram em 2003 um artigo muito importante na revista Pediatrics que ignorava os dados da Dinamarca e enganava a classe médica e o público ao insinuar que o timerosal nas vacinas não aumenta o risco de autismo.

Quase que inimaginavelmente, o artigo da Pediatrics realmente deu o sentido de que os índices de autismo aumentaram depois que o timerosal foi removido. Para piorar ainda mais, a reportagem da PRNewswire comentou: “Certo coautor, da Universidade de Aarhus na Dinamarca, estava ciente da omissão e alertou as autoridades dos CCPDs num email de 2002, declarando: ‘Em anexo, lhes envio o manuscrito resumido e integral sobre timerosal e autismo na Dinamarca… Preciso lhes dizer que as estatísticas não incluem os dados mais recentes de 2001… mas a incidência e prevalência estão ainda diminuindo em 2001’”.

As medidas deliberadas de evitar e falsificar dados médicos científicos para apoiar a tendenciosidade dos CCPDs já são suficientemente horripilantes, mas o fato de que tais informações são manipuladas para exercer a medicina nas crianças da nossa nação é uma monstruosa negligência médica e até mesmo maldade premeditada. Concordo de todo coração com Lisa Sykes, presidente da CoMeD, que resumiu o acobertamento dos CCPDs: “Esse tipo de conduta ilegal não deveria ser tolerado por aqueles a quem confiamos a saúde e bem-estar de nossos filhos”.

A Aliança de Saúde Natural (ASN) comentou que essa não é a primeira conduta sombria a ser desmascarada nos CCPDs. A ASN explicou: “Este não é o primeiro escândalo a atingir os CCPDs em anos recentes. No começo deste ano, o Dr. Poul Thorsen, um dos coautores do artigo na revista Pediatrics e cientista com cargo nos CCPDs de 2000 a 2002, foi indiciado em Atlanta por fraude e lavagem de dinheiro com relação a uma verba de 11 milhões de dólares que ele havia recebido dos CCPDs. E na semana passada, a Dra. Kimberly Quinlan Lindsey, que ocupava um dos cargos mais elevados dos CCPDs, foi presa e indiciada com duas acusações de abuso sexual de crianças e uma acusação de sexo com animais”.

E exatamente quando estávamos achando que a questão das vacinas não poderia ficar pior, na semana passada uma reportagem do jornal San Francisco Chronicle disse que o Conselho Nacional de Ciência de Biodefesa, o qual assessora o governo federal em questões de bioterrorismo, votou por 12 votos contra 1 para recomendar que o Ministério da Saúde dos EUA (Health and Human Services Department) apoie e patrocine um estudo para testar a vacina do antraz em crianças! (Será que esses conselhos consultivos acham que as 36 vacinas que o governo federal recomenda para crianças de dois anos já não são mais suficientes para quererem lhes acrescentar ainda o antraz?)

Voltando ao assunto do autismo, a correlação mais recente entre vacinas e autismo contrariará frontalmente (ou pelo menos provocará alguma confusão) por causa de um relatório de agosto de 2011 do Instituto de Medicina, o bastião americano de respeitáveis conselhos de saúde, que simplesmente absolveu as vacinas como culpadas pelo autismo.

Mas a verdade é, conforme relata a Associação Nacional do Autismo (ANA): “Há mais de 1.500 estudos e documentos que comprovam que a hipoalergenicidade e toxidez do timerosal (mercúrio de etilo) têm existido há décadas”, com pesquisas recentes revelando que são comuns demora na fala e tiques nervosos. A ANA acrescenta: “Estudos recentes confirmam que a ligação entre o uso de timerosal e autismo mudou de biologicamente plausível’ (em 2001) para ‘certeza biológica’”.

Daí, o pretexto para a inclusão do timerosal em qualquer produto é injustificável, na melhor das hipóteses, e perigoso, na pior. Ou, conforme a ANA declara categoricamente em sua série de avisos sobre o timerosal: “O mercúrio é perigoso para os seres humanos. O uso de um veneno tóxico como conservante é indesejável, desnecessário e deveria ser totalmente eliminado”.

É por isso que o Programa Ambiental da ONU está propondo um tratado mundial que proíba o mercúrio nas vacinas, algo que SafeMinds, uma organização de defesa dos direitos dos pais, aplaude com base nos longos anos em que essa organização vem alertando publicamente sobre os perigos e ligações do timerosal.

Mas os fatos são, de acordo com uma reportagem recente de PRNewswire, de que embora o timerosal não seja usado nas vacinas de sarampo, caxumba, pólio oral, febre amarela e tuberculose, é ainda encontrado em muitas vacinas de difteria, tétano, coqueluche, hepatite B e gripe, principalmente em países do Terceiro Mundo.

Desde 2001 nos EUA, nenhuma nova vacina autorizada pela Administração de Alimentos e Drogas (também conhecida pela sigla em inglês FDA, espécie de Vigilância Sanitária dos EUA) para uso em crianças contém o timerosal, exceto as vacinas para impedir a gripe. Apesar disso, os CCPDs continuam a recomendar algumas vacinas rotineiras com “vestígios de timerosal” para crianças abaixo de 6 anos de idade.

A FDA tem aprovado muitas vacinas de gripes sazonais, as quais chegam em frascos multidose e unidades de dose única. Aquelas que são produzidas em grandes quantidades e estão em frascos multidose contêm o timerosal, ao passo que as unidades de dose única (inclusive o spray nasal) não contêm o timerosal, pois são abertas imediatamente e usadas só uma vez. (Por isso, se você ou seus familiares insistirem em injeções contra gripe sazonal, garantam que sejam de dose única.)

Mas será que realmente queremos trocar o vírus da gripe pelo timerosal? E será que “Centros de Controle e Prevenção de Doenças” não é uma designação totalmente errada para um órgão que permite “vestígios de timerosal” no caldo de drogas médicas que está sendo injetado em nossas crianças? Será que vamos realmente permitir que nossos filhos sejam cobaias vacinadas com injeções contaminadas com mercúrio? No mínimo, não deveríamos evitar todos os produtos que contêm timerosal exclusivamente por motivos de precaução?

José Dorea, professor de ciências nutricionais da Universidade de Brasília, acertou bem no alvo de saúde quando recentemente disse: “As evidências continuam a se avolumar de que o mercúrio nas vacinas não é seguro, de que os efeitos negativos ocorrem até mesmo com níveis de exposição nas vacinas. Precisamos acabar com o uso do timerosal o mais rápido possível. Nenhuma mulher grávida ou criança deveria ter de negociar a prevenção de uma doença infecciosa por uma injeção de mercúrio”.

Portanto, que os consumidores fiquem alerta! Ou, será que eu deveria dizer, vocês que apoiam a vacinação, tomem cuidado! Cuide de sua mente quando entrar na porta do consultório de seu médico. Nunca tenha medo de fazer perguntas difíceis aos médicos que cuidam de sua saúde, por exemplo: “Quais são os ingredientes exatos nessa seringa?”

É a sua saúde que está em jogo, e a saúde de seus filhos, os quais Deus confiou a você. Por isso, seja ousado e garanta a segurança e bem-estar deles. Você ainda tem o direito constitucional de recusar qualquer tratamento médico que você julgar desnecessário.

Chuck Norris é um astro do cinema que atuou em mais de 20 filmes e séries de TV como “Texas Ranger”. Seu livro mais recente tem o título de “The Official Chuck Norris Fact Book: 101 of Chuck’s Favorite Facts and Stories”. Saiba mais sobre a vida e ministério dele em seu site oficial ChuckNorris.com. Siga Chuck no Facebook, Twitter e Blogspot.

Tradução: Julio Severo

por adrianobombeirodf Postado em Saúde

Como reduzir a quantidade de agrotóxico presente nos alimentos?

Uma ameaça à saúde do brasileiro é servida à mesa sem nenhum controle a cada refeição: alimentos com excesso de agrotóxico e outros tipos de veneno proibidos. O Brasil é um dos principais consumidores de defensivos agrícolas do mundo e o excesso desses produtos pode trazer danos irreversíveis à saúde dos consumidores. Para diminuir o problema, os médicos recomendam lavar bem os alimentos em água corrente. Entretanto, a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) considera que a lavagem dos alimentos apenas contribui para a que uma parte dos agrotóxicos seja retirada, mas não resolve o problema por completo.

Para ter produtos agrícolas sempre com uma boa aparência em longos períodos nas prateleiras, alguns agricultores apelam para o uso intenso dos agrotóxicos – muitas vezes desconhecendo os potenciais riscos à saúde do consumidor final. O índice de contaminação é maior em frutas, como morango, pêra, goiaba, maçã, uva e pêssego, e em hortaliças, como a alface.

Em pesquisas recentes, a Anvisa chegou a observar em mais de mil amostras em 16 estados que o problema afeta à maioria dos produtos consumidos pelos brasileiros. De cada 10 pés de alface, quatro estavam com resíduos. No morango quase metade, ou 45% das amostras estavam condenadas para o consumo. Já a contaminação do tomate vem crescendo nas análises realizadas desde 2002.

A agência explica que a lavagem não é suficiente para eliminar o problema por completo graças aos tipos de ação dos defensivos agrícolas em alguns produtos. Certos vegetais só recebem ação do agrotóxico apenas de modo externo, por contato direto. Ainda assim, as substâncias nocivas podem entrar nesses alimentos por meio de porosidades. Já os chamados sistêmicos são facilmente absorvidos e circulam pelos tecidos vegetais – dessa forma, a distribuição é uniforme e o tempo de ação é maior, tornando a lavagem pouco eficiente na retirada do agrotóxico.

Uma boa lavagem remove parte dos resíduos que estão na superfície. Mas os que foram absorvidos continuam lá e são ingeridos junto com a polpa do produto consumido.

O que pode ser feito?

  • Escolha alimentos certificados, cujos produtores se comprometam com boas práticas agrícolas;
  • Procure saber a origem das verduras e frutas que você compra no supermercado;
  • Quando possível, dê preferência às opções orgânicas, que não usam agrotóxicos, e escolha produtos “da época”, que não precisaram ser conservados por tanto tempo;
  • Mesmo que o resultado não seja 100%, lave bem os alimentos. De acordo com a Anvisa, não é comprovado que o uso de água sanitária na lavagem remove resíduos de agrotóxicos. A finalidade é matar agentes microbiológicos que podem estar presentes no alimento (essa higienização deve ser na proporção de uma colher de sopa de água sanitária para um litro de água).

gravar sair

<!– Coluna 02 do conteúdo –
por adrianobombeirodf Postado em Saúde

Fibras para controlar o peso e evitar doenças

Alimentos Integrais, Dicas de Alimentação, Saúde

Alimentos que contém fibras podem ajudar a combater a obesidade, um mal que atinge 1/3 da população mundial, segundo a World and Health Organization e é decorrente de hábitos de vida inadequados, estresse, sedentarismo e claro, falta de cuidados com a alimentação.

De acordo com a nutricionista Flávia Morais, da Rede Mundo Verde, os produtos ricos em fibras estimulam a mastigação, diminuem o apetite e ainda ajudam a regularizar as funções do intestino.

Pode-se incluir no cardápio os cereais integrais como quinua, amaranto, arroz integral, aveia e também semente de linhaça, farinha de banana verde, farelo de aveia e farelo de arroz, além de frutas com casca e verduras e legumes. Lembrando que o auxílio de água é que ajuda as fibras a desempenharem as suas funções no organismo. O consumo deve ficar em torno de 1,5 litro ao dia.

por adrianobombeirodf Postado em Saúde

Fibras ajudam a reforçar sua saúde

As fibras alimentares podem ser grandes aliadas da alimentação saudável e do bem-estar, como uma fonte de proteção para o corpo humano. Elas não podem ser digeridas por nosso organismo, mas, mesmo assim, não deixam de ter papel fundamental no bom funcionamento de todo nosso sistema digestivo, como explica a nutricionista Flavia Sguario, da Paraná Clínicas Planos de Saúde Empresariais.

Leia Também: Alimentos indispensáveis à boa saúde.

As fibras estão presentes em frutas, verduras, legumes, cereais e algumas porções desses alimentos não são absorvidas pelo organismo, assim, transformam-se em agentes de “limpeza” do nosso intestino, auxiliando na regulagem, bom funcionamento e até no emagrecimento. “As fibras podem ser fermentadas por bactérias que vivem em nosso intestino. Esses micro-organismos formam substâncias chamadas ácidos graxos de cadeia curta, que servem como energia para as células do intestino, deixando-o íntegro e saudável”, explica Flavia. “Um intestino em perfeito funcionamento também evita a passagem de substâncias tóxicas, que precisariam ser metabolizadas pelo fígado e eliminadas pelo rim, ou seja, elas ajudam a evitar a sobrecarga desses órgãos”.

Tecnicamente elas se dividem fibras solúveis e insolúveis. As primeiras absorvem água do nosso organismo e, assim, se transformam em um gel poderoso, capaz de eliminar a gordura que fica em nossas artérias, evitando que essa mesma gordura seja absorvida pelo intestino, formando uma proteção natural contra várias doenças. Já as insolúveis ajudam a regular o bom funcionamento do intestino. Elas não absorvem água, mas também estão presentes em alimentos simples e fáceis de encontrar, como as verduras, legumes, frutas e trigo, arroz e pães integrais.

Para quem quer combater o mau colesterol, controlar a diabetes e prevenir doenças é importante que elas façam parte do cardápio diário. Como não possuem calorias significativas as fibras também não engordam. Uma outra vantagem é que elas promovem a sensação de saciedade, o que ajuda em uma dieta para emagrecimento e reeducação alimentar. Mas, ao consumir mais fibras, você não pode esquecer de beber mais líquidos, de preferência água.

Mas não é porque elas trazem todos esses benefícios que você deve comer só fibras. O consumo exagerado pode causar a redução da biodisponibilidade de nutrientes, ou seja: como elas não são absorvidas pelo organismo, não carregam consigo os nutrientes necessários para garantir que seu corpo tenha a quantidade necessária para manter a sua saúde.

Os adultos devem ingerir de 20 a 30 gramas de fibras por dia, que equivalem a 1 colher de sopa de farelo de trigo, 1 prato de salada bem colorido e 3 frutas. Já as crianças, após os dois anos, já podem começar a se alimentar com fibras. Para saber a quantidade, soma-se a idade da criança mais 5 gramas por dia. Por exemplo, uma criança de 5 anos deve consumir 10g de fibras por dia, o que equivale a 1 concha de feijão cozido, um pãozinho francês, um pires de acelga cozida e uma fatia média de abacaxi.

Fonte: Paranashop.

por adrianobombeirodf Postado em Saúde

Guia definitivo sobre calorias, atividades físicas e emagrecimento

Calorias Dissecadas

Com este minucioso guia, você derruba mitos sobre elas e entender

melhor como são e atuam no corpo. Eliminar pneus indesejáveis

com maior facilidade – sem deixar de comer bemt claro

As Calorias Abastecem seu corpo

NÃO EXATAMENTE

Porquê Caloria é uma unidade de medida de calor, de energia. No começo do século 19, era usada na explicação da teoria da conservação do calor e das máquinas a vapor. Uma caloria era, mais exatamente, a quantidade de calor necessária para elevar em l °C a temperatura de l g de água. No final do século, o termo ingressou no mundo dos alimentos, quando o Departamento de Agricultura dos Estados Unidos usou-o num artigo sobre nutrição. Para aplicar o conceito à comida, os cientistas jogavam o alimento no fogo -literalmente! – e mediam quanto a chama produzida aquecia uma banheira de água. Quanto mais quente o líquido ficava, mais calorias a comida continha. Depois, a proporção mudou um pouco. A caloria agora estampada nas tabelas nutricionais remete à energia necessária para elevar a temperatura de l kg de água de 14,5 a 15,5 °C. A quilocaloria (kcal) indica o valor energético do alimento. O que abastece nosso corpo é a comida que, por sua vez, possui calorias. "Em nutrição, quando falamos de calorias nos referimos à quantidade de energia que o metabolismo do alimento pode nos proporcionar", afirma Ariana Ester Fernandes, nutricionista do Hospital das Clínicas de São Paulo. Esse processo acontece na mitocôndria das células. "São nossas pequenas usinas de energia", compara Maciej Buchowski, professor de medicina do centro médico da Universidade Vanderbilt (EUA). E seus pneus com isso? "O organismo precisa de energia (caloria) para desempenhar as funções fisiológicas.Mas quando você come em excesso, calorias são estocadas em forma de gordura, podendo levar ao ganho de peso1’» explica Ariane Pereira» nutricionista da clínica DNA Nutri» em São Paulo. "Um homem com saúde normal tende a não engordar se ingerir de 2 mil a 2500 calorias por dia." Mas você pode comer mais, mesmo se quiser perder peso. Desde que pegue firme na malhação. "Quem faz muito esporte em geral precisa absorver mais energia." O jornalista Tadeu Schmidt, apresentador da Rede Globo, é exemplo: segue uma dieta de 4500 calorias diárias. Para saber exatamente quanto de energia pôr no seu prato, visite um nutricionista. Unindo medidas do seu corpo a características do seu organismo, ao tipo de vida que você leva e a seus objetivos sobre a balança, o especialista vai traçar seu melhor cardápio. Você vai comer bem e bastante, enquanto turbina a forma física.

As calorias são todas iguais?

NA VERDADE, NÃO

Porquê "Temos três fontes básicas de energia: carboidratos, proteínas e gorduras – macronutrientes provenientes dos alimentos", aponta Mareio Mancini, consultor da MH e chefe do Grupo de Obesidade do Departamento de Endocrinologia e Metabologia do Hospital das Clínicas de São Paulo. E as fibras? "Estão no grupo dos carboidratos, só que não são absorvidas pelo organismo e não fornecem valor energético", explica Ariane Pereira. Cada l g de gordura carrega 9 kcal; l g de carboidrato, 4 kcal; l g de proteína, também 4 kcal. Mas l g de proteína e l g de carboidrato não fornecem o mesmo tanto de energia a você. "No organismo, esses nutrientes são processados de modo diferente", diz Alan Aragon, consultor de nutrição da MEN’S HEALTH americana. "Para cada 100 kcal de carboidratos consumidos,um indivíduo jovem, com saúde normal e peso constante, gasta de 5 kcal a 10 kcal na digestão", afirma Ariana Ester. "Para metabolizar 100 kcal de gordura, você despende de 3 a 5 kcal", indica Ariane Pereira. A cada 100 kcal de proteínas ingeridas, seu corpo usa de 20 a 30 kcal para digerir. Sim, carboidrato e gordura fornecem mais energia que proteína. Exemplo: se você consumir 100 kcal em carboidratos, restam ao corpo de 90kcal a 95 kcal. De 100 kcal em proteína, sobram de 70 kcal a 80 kcal. E seus pneus com isso? Um prato equilibrado – leia: que mantém seu shape sarado – é composto assim: metade com salada e legumes, boas fontes defibras (veja a importando delas no próximo item), vitaminas e minerais; /4 de arroz ou outro alimento rico em carboidratos (batata, macarrão, mandioca) e leguminosas (feijão,

, lentilha, ervilha, soja, eyc) que contêm proteína, fibra e carboidrato; e % de carne ou ovo, grandes fontes proteicas. Aí, a gordura que você precisa vem principalmente da carne e do óleo usado no preparo da comida. Se quiser perder peso, diminua o tamanho de cada porção. Mas sem burlar os limites indicados pela Organização Mundial de Saúde (OMS): a alimentação diária deve ser composta de 10% a 15% de proteínas, de 55% a 75% de carboidratos e de 15% a 30% de gorduras. Sim, é insalubre limar carboidratos e gorduras do cardápio. Outras sacadas para emagrecer: prefira carboidratos integrais; proteínas magras (carnes vermelhas como vitela, alcatra, maminha, sem a capa de gordura, claro; aves sem pele; e peixes – tudo assado ou grelhado); e gorduras insaturadas (azeite, castanhas, nozes, óleo de canola e linhaça).

Calorias saudáveis

Alimentos que engordam

Uma caloria ingerida uma caloria aproveitada

NÃO E BEM ASSIM

Porquê Não é só porque você engoliu a comida que ela vai ser digerida. Mesmo seguindo uma alimentação legal, sem excessos, seu intestino não absorve tudo que você mastiga. Sobram lá de 5% a 10% das calorias consumidas por meio dos alimentos – energia que você dispensa pelas fezes. A digestão das gorduras é relativamente eficiente: esse macronutriente penetra tranquilamente nas paredes do intestino. Proteínas: as de origem animal são mais facilmente digeridas que as vegetais – a proteína do lombo é melhor absorvida que a do tofu! Carboidratos diferentes são processados em ritmos diferentes: os de estrutura química molecular simples -glicose (açúcar) – são absorvidos logo; os de estrutura química molecular maior – amido (arroz, batata, mandioca, trigo) -demoram mais. Ás fibras não têm valor calórico, você viu. Mas ajudam a ganhar menos calorias. Elas diminuem a absorção de gorduras e carboidratos no intestino, prolongam sua sensação e saciedade e ainda auxiliam na redução de colesterol e açúcar no sangue. Ao separarmos um pedaço de algodão-doce com o mesmo teor calórico que um pedaço de brócolis, qual fornece mais energia? A guloseima. As fibras do vegetal fazem com que ele entregue menos energia. E seus pneus com isso? Menos calorias absorvidas pelo organismo significa menos peso no corpo. "A dieta rica em fibras dobra a porcentagem de calorias excretadas pelo organismo", explica Mancini. O Ministério da Saúde recomenda: o adulto saudável deve consumir 25 g de fibras por dia. Boas fontes delas*: cereal de trigo (29,9 g de fibras), aveia (9,1 g), ameixa-preta (9,2 g), feijão-carioca (8,5 g), pão de centeio (5,7g), goiaba (5,4 g), brócolis (3,4 g), e pêra com casca (3 g).

Alimentos com poucas calorias aludam a perder peso

NEM SEMPRE

Por quê Segundo estudo da Universidade do Texas (EUA), tomar três refrigerantes diet por semana aumenta em 40% o risco de ficar obeso. Em pesquisa da Universidade Purdue (EUA), ratos que comeram iogurte com adoçante ingeriram mais calorias depois.

seus pneus com isso? Se quiser acabar com eles, diminua a ingestão de doces trocando-os por itens autênticos: fruta em vez de guloseima diet. "Além de focar calorias, olhe as substâncias que o alimento contém", aponta Brandon Alderman, diretor do laboratório de psicof isiologia do exercício da Universidade Rutgers (EUA). Elas têm funções importantes, além fornecer energia. Carboidratos são elementos estruturais das células. Gorduras são isolantes térmicos, meio de transporte de vitaminas e compõem membranas e hormônios. "Proteínas têm função hormonal, estrutural, enzimática, de defesa e transporte", afirma Mancini.

Exercícios queimam quase todas as calorias

consumidas

JAMAIS

Porquê Nem o malhador fanátici lima, na academia, mais que 30% da: calorias que ingere por dia. "O gasto energético total (GET) do corpo é composto pela taxa metabólica de repouso (TMR)t pelo efeito térmico do exercício e pelo metabolismo do alimento", afirma Mancini, TMR é a energia gasta pelo organismo em repouso, para manter o funcionamento dos órgãos. "Ela é responsável por 65% a 75% do GET, e é influenciada pela massa magra do indivíduo – quanto maior ela for, maior a TMR", diz Mancini. A TMR de um homem saudável de 100 kg é cerca de 22 kcal por cada l kg de peso corporal: ele elimina 2 200 calorias por dia, mesmo se ficar o tempo todo sentado na

Alilmentos ricos em fibras

por adrianobombeirodf Postado em Saúde

O maior perigo para as crianças são os acidentes

Ativas, inquietas e machucadas

Os pais se preocupam com desaparecimento ou
doenças, mas o maior perigo para as crianças
são os acidentes. É fácil evitá-los. Elas só
precisam de atenção

A infância é a fase das brincadeiras arriscadas. Basta um minuto de distração dos pais e as crianças logo estão às voltas com alguma atitude imprudente. Não é à toa que as doenças estão longe de ser o principal problema para a saúde nessa faixa etária. As mortes na população com idade acima dos 5 anos são motivadas principalmente por causas externas. Atropelamento, acidente de carro, afogamento, queda, queimadura e intoxicação mataram 5 200 crianças entre 5 e 14 anos em 1998, data do último levantamento. No quintal, no playground ou na hora de andar de bicicleta ou patinete, é sempre recomendável a presença de um adulto. Mesmo dentro de casa, os riscos não são pequenos. As crianças parecem ter uma opção preferencial pelas coisas proibidas. Brincadeiras na cozinha, por exemplo, podem terminar em tragédia. O melhor é cuidar para que o ambiente esteja seguro. E, claro, nunca perder seu filho de vista.

Onde está o perigo

Fogo – Não permita brincadeiras com álcool. Um estudo mostra que 40% das queimaduras em crianças de 7 a 11 anos no Brasil são resultado do manuseio dessa substância. Mantenha distantes os produtos inflamáveis

Pipa (ou papagaio) – Não deixe a criança soltar pipa em cima de laje nem em lugares onde existam fios elétricos. Há risco de queda e choque. Cuidado também com o cerol, substância feita à base de vidro moído e cola, usada para tornar a linha cortante. Pode ser letal

Queda – A ponta dos pregos e os encaixes soltos são verdadeiras armadilhas em praças e playgrounds. Cerca de 35% das crianças entre 4 e 10 anos que chegam à emergência do Hospital das Clínicas de São Paulo sofreram algum acidente no parquinho

Atropelamento – Para evitar atropelamento, nunca largue a mão das crianças na rua. A partir dos 3 anos, comece a ensinar que a pista dos automóveis é perigosa e nela a criança pode se machucar

Queimadura – Mantenha alimentos e bebidas quentes longe da borda do fogão e de mesas ou pias. Mais de 50% das queimaduras em crianças acontecem com água quente, leite e óleo

Arma – Nunca guarde arma de fogo onde as crianças possam alcançar. Para garantir, ela jamais deve estar carregada. A munição deve ser armazenada separadamente

Desaparecimento – São Paulo registra mais de 2 000 crianças e adolescentes desaparecidos. Na rua, mantenha seu filho sempre perto de você. De preferência, de mãos dadas

Equipamentos que podem proteger seu filho

Capacete, luvas, joelheiras e cotoveleiras geralmente são deixados de lado como detalhes secundários na prática de esportes. As crianças os consideram chatos e incômodos. E os pais nem sempre lhes dão a devida importância. Mas as quedas podem ter conseqüências sérias, principalmente se a cabeça for atingida. Na prática do skate, por exemplo, 37% das lesões são no punho, e mais da metade delas resulta em fraturas. Proteger seu filho é fácil e não custa caro. Veja o exemplo do garoto nesta foto. Evidentemente, ninguém vai obrigar o filho a andar assim, como um Robocop infantil. É apenas um exemplo dos itens de segurança disponíveis no mercado para crianças. Para adquirir todos os equipamentos que aparecem na foto, a conta ficaria em 310 reais. É menos do que se gastaria caso o menino sofresse uma fratura na perna, para ficar num ferimento menos grave, se comparado a um traumatismo craniano. Sem falar na principal vantagem desses equipamentos: usá-los não dói.

Foto: Marcelo Zocchio

por adrianobombeirodf Postado em Saúde

Ambiente mais seguro e confiável para o desenvolvimento de seu filho

Carinho e muita atenção

Alguns cuidados simples podem tornar sua
casa um ambiente mais seguro e confiável
para
o desenvolvimento de seu filho

Um bebê traz felicidade incomparável à família, mas dá trabalho. Os cuidados para que ele não se machuque são muitos. Os bebês são as principais vítimas de acidentes domésticos, que incluem queimadura no fogão, choque elétrico, queda do berço e, numa situação ainda mais perigosa, de janela sem rede de proteção. Curiosos por natureza, eles se dedicam nos primeiros anos ao reconhecimento do mundo a sua volta. Isso implica risco. Ao menor descuido, são capazes de enfiar o dedo numa tomada, comer sabão ou despencar da escada. Os perigos começam no momento em que aprendem a rolar sozinhos e insistem em levar à boca tudo o que encontram pela frente. A total falta de capacidade de discernimento na primeira infância exige dos pais atenção em tempo integral para garantir sua egurança.

Existem diversos equipamentos que podem auxiliar nessa tarefa de tornar menos arriscados os primeiros anos de vida (veja quadro). Segundo a Sociedade Brasileira de Pediatria, os acidentes mais comuns nos primeiros doze meses são afogamento, queimadura, intoxicação, choque elétrico, queda, sufocação, engasgo e ingestão de corpos estranhos. Mas é necessário também cuidado adicional para evitar que a superproteção iniba o desenvolvimento da criança. Isso pode acontecer no que se refere à criação de anticorpos para as doenças infantis e à capacidade motora. É preciso que ela se exercite andando sozinha, mesmo que o percurso inclua algumas quedas. Outra ginástica importante é a que reproduz o movimento de escalar coisas. Tudo isso envolve risco, claro, mas é necessário para que a fase dos tombos passe mais depressa.

As quedas representam mais da metade dos atendimentos nas emergências pediátricas

Até os 2 anos, elas acontecem principalmente em casa, do alto dos móveis

A partir de 2 anos, o problema são os parquinhos e a escola. Quase 60% dos casos ocorrem no recreio

Fonte: Hospital Albert Einstein (SP)

Tudo é novidade (até 6 meses)

Certifique-se sempre de que a água do banho não está muito quente

Mantenha os alfinetes fora de alcance

Jamais deixe o bebê sozinho na banheira, nem enquanto busca uma toalha

Nunca o deixe em lugares de onde possa cair. É difícil saber em que momento ele irá movimentar-se

Evite objetos que possam ser levados à boca. Brinquedos e chocalhos devem ser resistentes e não-desmontáveis

Use colchão firme e cobertores leves

Não deixe cordões nem prendedores de chupeta no berço

A mobília e os brinquedos não podem ser pintados com tinta que contenha chumbo. Confira com o fabricante

Bichos de pelúcia acumulam ácaros e provocam alergia respiratória. Tire-os do quarto de dormir

A curiosidade (de 7 a 12 meses)

Mantenha os objetos pequenos e afiados longe do bebê

Produtos tóxicos e remédios devem ficar fora do alcance da criança

Alfinetes, botões, agulhas e outros pequenos objetos precisam ser muito bem guardados

Remova os objetos quebráveis que estiverem por perto

Não deixe toalhas pendendo da mesa. Elas podem ser puxadas

Mantenha os alimentos e líquidos quentes no centro da mesa

A aventura (de 1 a 2 anos)

Portões de segurança nas sacadas e nas escadas são indispensáveis para evitar quedas

Grades nas janelas e telas, firmemente fixadas, previnem acidentes

Portas que dão para a rua ou áreas perigosas devem ficar trancadas

Tomadas de eletricidade precisam ser resguardadas com protetor

Mantenha as substâncias venenosas sob chave. Intoxicações são comuns nessa idade

Piscinas devem ficar cercadas ou cobertas. Evite deixar a criança no banheiro sozinha

A cozinha é o lugar preferido das crianças. Cuidado com os cabos de panela quentes

Fósforos, facas e outros objetos perigosos devem ser mantidos fora de alcance

Evite brinquedos com pequenas partes removíveis que possam ser postas na boca ou no nariz

A independência (de 2 a 3 anos)

Comece a ensinar a seu filho quais são os perigos da rua e como e quando atravessá-la

Não se esqueça de manter fora de alcance as substâncias venenosas e os fósforos

Evite deixar que carreguem objetos pontiagudos e de vidro e líquidos quentes

Guarde todas as ferramentas e equipamentos de jardinagem perigosos em local seguro

A experiência (de 3 a 5 anos)

Essa é a melhor idade para começar a ensinar como manusear ferramentas, fósforos e utensílios de cozinha

Explorar terrenos baldios é excitante nessa fase. Supervisione as áreas em que as crianças brincam. Preste atenção em pregos e objetos cortantes

É importante que os brinquedos sejam resistentes

Guardar venenos e ferramentas pontiagudas em lugares seguros é importante

Fonte: Sociedade Brasileira de Pediatria

A escolha da babá confiável

Imaginar que o bebê poderá ficar nas mãos de uma babá incompetente é um dos maiores pesadelos para os pais. Veja o que recomendam as agências que prestam serviços de recrutamento dessas profissionais

Prefira as que possuem grau de escolaridade mais alto

Indicação de pessoas de sua confiança é a melhor credencial

Observe a babá por alguns dias antes de deixá-la sozinha

Pergunte sobre o último trabalho e sua opinião a respeito das crianças. Ela se revelará

Prefira empresas especializadas em agenciamento que garantam a qualidade da profissional

Equipamentos que protegem o bebê

PROTETOR DE CANTOS DE MESA
Amortece o choque e pode evitar ferimentos (9 reais)
FECHOS E CADEADOS
Remédios, perfumes e produtos de limpeza devem ser mantidos sempre trancados. Fechos multiuso servem para lacrar armários e geladeiras (8 reais)

PROTETOR DE TOMADAS
Se elas estiverem a menos de 1,40 metro de altura, devem ser isoladas. Este protetor só pode ser arrancado com uma chave especial (6 reais)
TAPETE ANTIDERRAPANTE
Evita quedas no banheiro (29 reais)

PROTETOR DE PORTAS
Diminui o risco de o bebê ter os dedos presos (12 reais)
LACRES
Para portas de armários de remédios e da cozinha, evitam imprevistos (14 reais)

ALARME PARA PORTA
Vendido em lojas especializadas, avisa quando a porta se abre ou se fecha (35 reais)
PROTETOR DE FOGÃO
Cerca de 50% das crianças vítimas de queimadura são feridas com líquidos quentes, como água, leite e óleo. Um protetor de fogão as mantém longe do perigo (29 reais)

Fotos: Getty images – Stock Photos – Marcelo Zocchio

por adrianobombeirodf Postado em Saúde